terça-feira, dezembro 21, 2010

Férias.

Faz um tempo que eu não escrevo nada aqui no meu blog, mas o post de hoje de certa forma é um tanto em que especial, pois esse seja talvez o ultimo do ano de 2010, estou de férias de tudo, inclusive de escrever e vou ficar assim por mais um tempo.
O ano de 2010 foi muito bom pra mim, foi um ano todo especial e espero que 2011 seja melhor, se 2011 for 100% melhor que 2010 eu ficarei feliz, se não for eu sei que talvez eu errei em algum ponto, mas enfim, essa discussão se voltara daqui 1 ano mais ou menos.
Quanto a escrever para divulgar as minhas idéias, penso ser interessante deblaterar sobre o senso comum, me vejo por vezes como um parlapatão do conhecimento científico, mas eu acredito ser uma patuscada me achar um parlapatão desse conhecimento, mas usando de vernáculos correntes tentarei explicar tal contexto. Eu gosto de estudar, eu gosto de escrever, eu gosto de buscar informações.
            Qual o problema cometer uma pantomima aqui ou acolá? Claro que não sou de dar patuscada no que eu acredito, tenho minha crença na ciência e na religião, defendo meus ideais e luto por eles. Se já perdi amigos com isso? Claro que sim, se me arrependo? Claro que não, enquanto eu estiver lutando pelo o que eu acredito estou feliz.
            É isso meus amigos e minhas amigas, um Feliz 2011 pra todos!!!Um grande abraço meu a todos os leitores, obrigado, Marcio Colli.

domingo, dezembro 12, 2010

Doença do Pânico


   Pânico tem origem do grego "panikon" que tem como significado susto ou pavor repetitivo. Na mitologia grega o Deus Pã, que possuía chifres e pés de bode, provocava com seu aparecimento, horror nos pastores e camponeses. Desta forma a palavra tem em nossa língua o significado de medo ou pavor violento e repetitivo. Em Atenas, teria sido erguido na Acrópole um templo ao Deus Pã, ao lado da Ágora, praça do mercado onde se reunia a assembléia popular para discutir os problemas da cidade, sendo daí derivado o termo agorafobia, usado pela psicologia para designar o medo de lugares abertos.
   Voltando para o Transtorno do Pânico (TP), este é uma entidade clínica recente e era antigamente chamada de neurastenia cardiocirculatória ou doença do coração do soldado ("coração irritável" denominação dada por Da Costa em 1860 durante a guerra civil americana), embora a primeira descrição sintomatológica tenha sido feita por Freud, que a classificou como neurose ansiosa. Até 1980, o quadro foi agrupado sob o título de "neurose de ansiedade" e atualmente este mesmo grupo foi subdividido em Doença do Pânico e Transtorno de Ansiedade Aguda ou Generalizada.
   As diferenças clínicas, razão pela qual derivou a subdivisão do grupo em Reações de Ansiedade Aguda e TP, residem no fato de que os fatores geradores da primeira são motivados por agentes externos que ameaçam de forma clara e consistente a vida do indivíduo tais como catástrofes, panes em aviões, trens, veículos, incêndios entre outros.
   No distúrbio "crise de pânico" o agente externo freqüentemente encontra-se ausente e a ameaça está dentro do próprio paciente. Ambas as desordens vem acompanhadas por boca seca, aceleração dos batimentos cardíacos, palpitações, palidez, sudorese e falta de ar. Este conjunto de manifestações qualifica o que se denomina "reação de alarme" adaptando o organismo às situações de fuga, luta ou perigo iminente, trocando em miúdos, seria como se você se assustasse com algo, mas essa reação dura em média meia hora.
   A causa freqüente de procura a psiquiatras e psicoterapeutas esta ligada ao stress cotidiano. É uma patologia real (alguns a rotulam como frescura) e incapacitante devido a seus sintomas extremamente desagradáveis. Só quem sofre de TP é que sabe valorizar a intensidade de sua sintomatologia.
   Este fato é devido em grande parte ao desconhecimento do TP por médicos não especialistas (não psiquiatras) o que determina a demora no diagnóstico do caso com o conseqüente e indesejável desenvolvimento das complicações. A grande maioria dos pacientes, devido à predominância dos sintomas ligados ao aparelho cardiovascular, é atendida em pronto-socorros cardiológicos por clínicos e/ou cardiologistas e medicados com fármacos que não são capazes de bloquear as "crises ou ataques de pânico", quando o paciente tem sorte e encontro nos PS´s um médico que conheça um pouco da doença é diagnosticado como uma síndrome neuro vegetativa (SNV) ou um famoso piti.
   A medida as crises se sucedem, sem que os pacientes observem melhora, os leva a insegurança e ao desespero. São realizados inúmeros exames sem se chegar a uma conclusão, diagnósticos sendo os sintomas atribuídos a situações genéricas como estafa, nervosismo, fraqueza ou com frases do tipo: "você não tem nada".
   O TP ocorre mais freqüentemente em adultos jovens na faixa etária entre 20 e 45 anos de ambos os sexos, sendo maior o numero em mulheres, em média 2 mulheres a cada 3 casos de TP. Nesta faixa etária os pacientes estão na plenitude de seu potencial de trabalho e ao apresentarem a doença são geradas conseqüências desastrosas voltadas tanto para o desenvolvimento profissional quanto social.
   O diagnóstico baseia-se nos seguintes critérios segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais (DSM-IV) da Associação Psiquiátrica Americana: Ataques de pânico recorrentes e inesperados. Critérios para o Ataque de Pânico: Um curto período de intenso medo ou desconforto em que 4 ou mais dos seguintes sintomas aparecem abruptamente e alcançam o pico em cerca de 10 minutos, são eles: sudorese; palpitações e taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos); tremores ou abalos; sensação de falta de ar ou de sufocamento; sensação de asfixia; náusea ou desconforto abdominal; sensação de instabilidade, vertigem, tontura ou desmaio; sensação de irrealidade (desrealização) ou despersonalização (estar distante de si mesmo); medo de morrer; medo de perder o controle da situação ou enlouquecer; parestesias (sensação de anestesia ou formigamento); calafrios ou ondas de calor.
   Pelo menos um dos ataques terem sido seguido por 1 mês ou mais de uma ou mais das seguintes condições: medo persistente de ter novo ataque; preocupação acerca das implicações do ataque ou suas conseqüências (isto é, perda de controle, ter um ataque cardíaco, ficar maluco); uma significativa alteração do comportamento relacionada aos ataques; o Ataque de Pânico não ser devido a efeitos fisiológicos diretos de substâncias (drogas ou medicamentos) como: álcool, cocaína, crack, cafeína, ecstasy ou de outra condição médica geral (hipertireoidismo, feocromocitoma, etc...); os ataques não devem ser conseqüência de outra doença mental, como Fobia Social (exposição a situações sociais que geram medo), Fobia Específica (medo de avião, de elevador, etc...), Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Pós-traumático ou de Separação.
   Quanto mais cedo ocorrer o paciente procurar ajuda, mas fácil é fazer o paciente controlar os ataques. TP é uma doença seria e tem de ser tratada como tal. O trabalho do psicoterapeuta deve ser procurado sempre que surgir algo relacionado a doença ou outros transtornos psicológicos, até mesmo para o auto conhecimento, o auto conhecimento é a melhor forma de se evitar os transtornos psicológicos, não tenha medo de procurar um psicoterapeuta.
   No Brasil ainda temos muito estigma em relação a psicólogos, na França quem não faz psicoterapia não é muito bem visto pela sociedade. Enfim, voltando ao tópico, espero que tenha feito você pensar no tema, se fiz isso, fiz meu trabalho. Obrigado, Marcio Colli.

sexta-feira, dezembro 10, 2010

Aniversário


     Hoje (10/12) é uma data muito importante, nesse dia se comemora a carta de declaração dos direitos humanos que foi proclamada em 1948, por ser a data de proclamação dos direitos humanos uma ONG inglesa adotou a data também como o dia dos direitos internacionais dos animais, ou seja, hoje é dia de se comemorar os direitos humanos e os direitos dos animais.
     Mas nessa data também na Roma antiga acontecia o Festival de Lux Mundi em honra à deusa Liberdade. No Brasil comemora-se o aniversario de 3 cidades: Londrina, Rondonópolis e Alto Graças, mais do que essas cidades, hoje também é dia Internacional dos Povos Indígenas, embora ser comemorado internacionalmente foi adotado também no Brasil. Tudo isso tem uma ligação muito interessante e ao mesmo tempo não tem no Brasil em especial, pois hoje é o dia do palhaço no Brasil, tem que rir pra não chorar mesmo.
     Entre as pessoas que eu admiro que nasceram nesse dia estão: Clarice Lispector, Cássia Eller, um tio que nasceu nessa data em 1910 e eu que nasci dia em 1983. Sim! Hoje é meu aniversário.
     Hoje eu estou comemorando 27 anos e posso afirmar que foram 27 anos que estão valendo a pena pra caramba, tem gente por ai que tem 54 e não viveu nem a metade do que eu vivi, claro que tem os de menos idade e já viveram mais que eu também. Mas o que eu quero dizer é que se eu viver mais 1 ou 2 anos eu já estou satisfeito.
     Muita gente com minha idade queriam ser como eu, e comigo também não é diferente, também quero ser como algumas pessoas, na verdade eu penso que quero ser igual, no entanto, melhor, pois o meu histórico de vida é um tanto diferente não é mesmo? Vejamos a minha vida, eu com 27 anos sou psicólogo clinico, mago esotérico, escritor amador, parapsicólogo e astrólogo por hobby, apaixonado pelo ser humano, tudo o que envolve o ser humano eu procuro estudar, costumo dizer que não entendo de maquinas e não as entendo mesmo, acho maquinas muito complexas, humanos pra mim é mais fácil. Trabalho na área da saúde há 13 anos, sendo 7 deles na área de farmácia e mais 8 na psicologia, sim, eu entrei na psicologia quando estava na farmácia. Cursei durante 6 meses psicologia na UNIMAR (Universidade de Marília – SP), cursei também 1 ano e meio na UNIP (Universidade Paulista - campus Assis – SP) e me mudei para a região onde esta instalada na UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí – SC), onde eu conclui o curso.
     Citando o cantor e compositor Marcelo Nova em uma versão da canção de Frank Sinatra (My way): “embora os choros, eu tenho alguns, mas mesmo assim, são muito poucos, sorri, chorei e me entreguei ao meu trabalho e agora que o fim esta próximo eu encaro esse momento, meu amigos, eu vou confessar os meus pecados e os meus sentimentos, vivi a mil por hora e por caminhos que nem lembro agora e mais, tem mais eu sei I did it my way”.
     Essa canção mostra bem a vida de um homem comum que passou por quase tudo o que um ser humano comum passa. Voltando para o tema de aniversário, que nada mais é do que a repetição do dia e do mês em que se deu determinado acontecimento. Num sentido mais geral, refere-se à comemoração de periodicidade anual de qualquer evento importante, como o nascimento de alguém, a morte de uma personalidade, o fim de uma ditadura ou uma batalha.
     Particularmente aniversário pra mim é a data mais importante que uma pessoa pode ter no ano, essa data é destinada a pessoa e talvez a única, sempre no meu aniversário eu me reservo no direto de pensar no que eu fiz com a minha idade anterior e traçar as minhas metas para o próximo ano da minha vida que se inicia, esse ano que passou eu posso afirmar que conclui mais de 50% do meu objetivo, espero completar mais de 100% dos meus objetivos nesse ano que se inicia.
     Bom gente, agora eu vou me retirar e fazer minha reflexões e pensar nessa minha nova fase que se inicia. Aos que me derem os parabéns eu agradeço de coração, um ótimo presente pra mim seriam se vocês me seguissem nesse blog e voltassem sempre que tiver atualizações. Eu escrevi esse texto em homenagem a pessoa que eu mais gosto nesse mundo, ou seja, EU, mas eu espero ter feito você pensar no tema de aniversários e pensar em sua vida também. Obrigado, Marcio Colli.

terça-feira, dezembro 07, 2010

Preconceito.

   Outro dia eu estava conversando com um amigo e surgiu a idéia de preconceito. Quero deixar bem claro aqui que eu sou um sujeito cheio de preconceitos, tenho preconceitos para vender e doar aos montes. Muita gente me diz “eu não tenho preconceito de nada”, ouvir isso me dói no ouvido.
    Preconceito significa nada mais do que um raciocínio anterior ao fato, se você é incapaz de prever que algo vai acontecer, aconselho que se estude mais sobre a sua vida. Não existe essa idéia de pessoas que não tem preconceitos. Preconceito hoje é visto em uma forma misturada com discriminação, a discriminação sim é algo ruim e penso que não deva existir.
    Mesmo sendo a discriminação algo terrível em nossa sociedade, hoje em dia, temos as mais diversas formas de discriminação, discrimina pela forma de se vestir, andar, comportamento sexual, corpo, conteúdo cognitivo (inteligência), entre as mais variadas formas possíveis.
    As pessoas que vivem falando que não tem preconceitos certamente são aquelas que a mídia consegue dominá-las de tal forma que fazem essas pessoas agir de maneira falsa com tudo e com todos. Finge-se hoje em dia em todos os níveis hierárquicos da sociedade.
    O fingimento hoje esta instaurado em nossa sociedade e é até apreciável por muitos, quantas vezes não ouvimos “sinceridade demais é prejudicial”, ouvir isso dói como um punhal que se firma nas costas da verdade. Como disse certa vez Marques de Sades “tudo em exagero é bom”, nessa ótica temos muitas coisas que em exagero é bom, penso que a sinceridade deva estar presente também.
    Sinceridade e educação nunca são demais. A máxima da falsidade do meu ponto de vista, ou melhor dizendo, conteúdo cognitivo, sinceridade e educação nunca são demais. Tenho vários preconceitos, mas talvez o maior de todos que tenho seja o de conteúdo cognitivo, me dói nos ouvidos ouvir a frase “eu não me arrependo de nada que eu fiz, eu só me arrependo do que eu não fiz”. Quando eu ouço algo desse tipo eu sempre pergunto “como?” se você não se arrepende de nada do que fez, mais uma vez eu sugiro que você pense mais em sua vida.
   Se eu tivesse a possibilidade de voltar no tempo e ter a chance de mudar algum comportamento que eu tive no passado, com certeza eu mudaria. Quantas vezes nós não fizemos algo que até prejudicou o nosso semelhante? Se tivesse a possibilidade de voltar e refazer da mesma maneira, com certeza não faríamos. O filme efeito borboleta nos faz pensar justamente por isso, uma atitude que poderíamos mudar no passado alteraria uma vida inteira, é como não aceitar algum negócio novo e depois ver que as pessoas ficaram ricas com esse mesmo negócio que você deixou pra traz.
      Existem três coisas que não voltam: a flecha lançada, a palavra dita e a oportunidade perdida. Se eu pudesse voltar no passado com certeza eu não teria dito varias coisas e iria aproveitar as oportunidades perdidas, penso que todos fariam isso, ficarei feliz o dia que eu souber que existem pessoas pensando assim.
      Não quero que você pense assim apenas porque eu disse isso, mas sim que pense no tema, se levei você a pensar no tema já será um grande trabalho e terei a satisfação de dever cumprido. Obrigado, Marcio Colli.

sábado, dezembro 04, 2010

5/12 Dia do barrigudo.


Recebi esse email já tem algum tempo, ele fala sobre as vantagens da mulher em namorar com um barrigudinho. Mulheres que acabaram de conhecer um rapaz, ficou com ele algumas vezes e já esta começando a imaginar o dia do seu casamento e os nomes dos filhos, pare agora e leia!
Na próxima  vez que encontrá-lo, tente disfarçadamente descobrir como é sua barriga. Se for musculosa, torneada, estilo tanquinho, fuja! Comece a correr  agora e só pare quando estiver a uma distância segura. É fria.
Homem bom de verdade precisa, obrigatoriamente, ostentar uma barriguinha  de chopp. Se não, não presta. Estou me referindo àqueles que, por não  colocarem a beleza física acima de tudo (como fazem os malditos  metrossexuais) acabaram cultivando uma pancinha adorável. Esses, sim, são  pra manter por perto. E eu digo por quê.
Você nunca verá um homem barrigudinho tirando a camisa dentro de uma boate e dançando como um idiota, em cima do balcão. Se fizer isso, é pra fazer graça pra turma e provavelmente será engraçado, mesmo. Já os “tanquinhos” farão isso esperando que todas as mulheres do recinto caiam de amores, tenho dó das que caem. Quando sentam em um boteco, numa tarde de calor,  adivinha o que os pançudos pedem pra beber? Cerveja! Ou coca-cola, tudo bem também. Mas você nunca os verá pedindo suco. Ou, pior ainda, um copo com gelo, pra beber a mistura patética de vodka com “suquinho light” que trouxe de casa.
E você não será informada sobre quantas calorias tem no seu copo de cerveja, porque nós não sabemos e nem nos importa essa informação. E no quesito comida, os homens com barriguinha também não deixam a desejar.
Você nunca irá ouvir um ah, amor, “Quarteirão” é gostoso, mas você podia provar uma “McSalad” com água de coco. Nunca! Nós entendemos que, se não estamos em forma perfeita o tempo todo, você também não precisa  estar. Mais uma vez, repito: não é pra chegar ao exagero total e mamar leite condensado na lata todo dia! Mas uma gordurinha aqui e ali não matará um relacionamento. Se ele souber cozinhar, então, bingo! Encontrou a sorte grande. Ele vai fazer pra você todas as delícias que sabe, e nunca torcerá o nariz quando você repetir o prato. Pelo contrário, ficará feliz.
Outra coisa fundamental, homens barrigudinhos são confortáveis! Experimente pegar a tábua de passar roupas e deitar em cima dela. Pois essa é a sensação de se deitar no peito de um musculoso besta. Terrível! Gostoso mesmo é se encaixar no ombro de um fofinho, isso que é conforto. E na hora de dormir de conchinha, então? Parece que a nossa barriga se encaixa perfeitamente na lombar de vocês, e fica sensacional.
Homens com barriga não são metidos, nem prepotentes, nem donos do mundo. Nós sabemos conquistar as mulheres por maneiras que excedem a barreira do físico. E aprendemos a conversar, a ser bem humorados, a usar o olhar e o sorriso pra conquistar. É por isso que eu digo que homens com barriguinha sabem fazer uma mulher feliz. Texto original de Carla Moura, psicóloga especialista em sexologia e feito alterações por mim.
O mais bacana de tudo é que o Dia Internacional da BARRIGA. Está chegando. Você, homem, quem está cansado de lutar contra balança, que se olha no "espelho" e vê aquela barriguinha e inveja o vizinho que gosta de andar "peladão" mostrando o abdômen bem definido etc... não fique triste.
Lembre-se que o "palhaço malhador" ficou na academia por horas, lembre-se de quantas cervas ele evitou, guloseimas nem pensar, e tudo isto prá que? Prá ficar na frente do espelho se achando bonitão? CHEGA DE VIADAGEM!
O mundo inteiro sabe que quem gosta de homem bonito são os viados. Mulher quer homem inteligente, carinhoso, fofinho e principalmente RICO. Por isto foi lançado o dia 05 de Dezembro como o DIA INTERNACIONAL DOS  BARRIGUDOS.
Chega de ter a consciência pesada após beber aquela cervejinha, ou aquele vinho, e comer aqueles petiscos. Vamos lotar os bares e restaurantes, vamos derrubar todas as cervas, vinhos, coca-cola e caipirinhas, comer aquela feijoada, macaxeira com charque, coxinhas e torresminhos. Vamos detonar aquela picanha gorda e o chantili com morangos.
Chegou a nossa vez!! Salada, o caralho!
Nosso Lema: "Mais vale um barrigudinho bom de cama, do que um gostosão fracassado".
Nosso ìdolo: "Homer Simpson".
Nosso Dia: 5 de Dezembro, o dia Internacional dos Barrigudos (esse ano no domingo!!!). Espero ter feito você pensar e se divertir, Obrigado, Marcio Colli.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

Memória.

   Hoje (3/12) é aniversario do meu irmão mais velho, esse meu irmão ao contrario de mim (que sou o mais novo de todos) sempre teve uma memória um tanto em que fraca se comparada com a minha, quando eu comecei a estudar memória me lembrei dele e ele sempre foi um dos motivos que me levaram a saber mais sobre memórias em geral e hoje eu decidi compartilhar alguns achados com os meus leitores.
   Memória é uma palavra que origina do nome da deusa grega Mnemosine que era a deusa da memória, suas filhas inspiravam os poetas colocando idéias em seus pensamentos, como se a memória fosse colocada na mente dos seres humanos (SÉ; LASCA, 2005).
   A memória e o aprendizado são de extrema importância para a experiência humana. A perda da memória leva a perda de si mesmo, da história de uma vida e das interações com outros seres (SACKS, 1988). Parte do que sabemos sobre nós e sobre o mundo, como por exemplo, o rosto de um amigo ou inimigo, as expressões numéricas, lugares em que passamos, enfim, não é uma capacidade inata, é adquirida por meio da experiência, e isso é armazenado e recuperado pela memória (EISENKRAEMER, 2006).
  Aprender consiste em agregar dados à memória. Estes dados podem ser explícitos (conscientes) ou implícitos (não conscientes) e podem durar de segundos até toda uma vida (GODOY, 2005).
   Segundo Izquierdo (2002), memória pode ser entendida como a aquisição, armazenamento e evocação de informações. A aquisição pode ser compreendida como o próprio processo de aprendizagem. Também pode ser chamada de fase de registro da informação (SIMS, 2001). O armazenamento relaciona-se com as formas de codificação da informação. A evocação é também chamada de recordação, lembrança e/ou recuperação (IZQUIERDO, 2002). Pode ser dividida em relação a forma de lembrar: recordar ou reconhecer (MYERS, 1999).
   Podemos afirmar que somos aquilo que recordamos, literalmente. Não podemos fazer aquilo que não sabemos como fazer, nem comunicar nada que desconhecemos, isto é, nada que não esteja na nossa memória (IZQUIERDO, 2002).
   A palavra memória quer dizer algo diferente em cada caso, porque os mecanismos de sua aquisição, armazenamento e evocação são diferentes (IZQUIERDO, 2002). Desta forma, ainda em Izquierdo (2002), há muitas classificações de memórias, de acordo com a sua função, com o tempo que duram e com o seu conteúdo. Pensando em sua função, há basicamente dois tipos de memórias: uma muito breve e fugaz, que serve para gerenciar a realidade e determinar o contexto em que diversos fatos, acontecimentos ou outros tipos de informação ocorrem, e se vale a pena ou não fazer uma nova memória disso ou se esse tipo de informação já consta dos arquivos (chamada de memória de trabalho).
   A classificação dos diversos tipos de memória é feita de forma qualitativa e quantitativa. A nomenclatura referente as mesmas difere entre os teóricos das áreas das neurociências e da psicologia cognitiva, porém o significado e suas funções são as mesmas. De modo geral, podemos dividir a memória de acordo com sua função e seu conteúdo (KOLB; WISHAW, 2002).
   Em relação a sua função, podemos destacar a memória de trabalho, que diferencia-se das outras (memória de curto prazo e longo prazo) pois não deixa traços e não produz registros. Dura de segundos a poucos minutos, e mantém a informação que está sendo processada no momento. A área cerebral responsável pelo seu controle é o córtex pré-frontal, e depende da atividade elétrica dos neurônios dessa região (IZQUIERDO, 2002).
   Segundo Del Nero (1997), os elementos que devem estar relacionados à memória são os moduladores de ação sináptica. Da mesma forma que algumas drogas apagam ou prejudicam a memória, também algumas substancias internas podem amplificá-la e gerar eventos que colaborem nas alterações de estrutura que subjazem a ela.
   Espero ter ajudado nesse tema e feito você entender um pouco mais de memória, se fiz você pensar, fiz meu trabalho. Obrigado, Marcio Colli.

Referência:
DEL NERO, Henrique Schützer. O Sítio da Mente. São Paulo: Collegium Cognitio, 1997.
EISENKRAEMER, Raquel Eloísa (2006). Nas cercanias das falsas memórias. Ciências & Cognição; Ano 03, Vol 09. Disponível em www.cienciasecognicao.org. Acesso em: 2/04/2009.
GODOY, Roberto. Mecanismos Cerebrais. In: VALE, Luiza Elena L. Ribeiro. Neuropsicología e Aprendizagem: Para viver melhor. Ribeirão Preto: Tecmedd, 2005.
IZQUIERDO, Ivan. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2002.
KOLB, Bryan; WHISHAW, Ian Q.. Neurociência do Comportamento. Barueri: Manole, 2002.SACKS, O. O homem que confundiu sua mulher com um chapéu. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
SÉ, E.V.G; LASCA, V. Exercite sua mente: guia prático para aprimoramento da memória, linguagem e raciocínio. Rio de Janeiro: Prestígio, 2005.
SIMS, Andrew. Sintomas da mente: introdução à psicopatologia descritiva. Porto Alegre: Artmed.

quinta-feira, dezembro 02, 2010

Agradecimentos.

          Hoje estou completando um mês de Blog e posso dizer que foi um mês bem sucedido, nesse mês eu tive nesse Blog + de 8450 acessos dos mais diversos locais do mundo e vindos das mais diversas fontes, muitos amigos meus me visitaram, pessoal do Orkut, Twitter, sites de divulgação de Blog´s entre outros.
            Com 8450 acessos em um mês, posso afirmar que tive uma média de mais de 280 visualizações por dia, isso resulta em mais de 11 por hora, ou seja, uma visualização a cada 5 ou 6 minutos em média.
            Gostaria aqui de agradecer a todos que me visitaram por algum motivo, todos os comentários recebidos e todos os seguidores. É com grande honra que agradeço a vocês, pois, fazer um blog e escrever é uma tarefa um tanto que difícil, mas prazerosa e eu tenho muito prazer em escrever para vocês lerem. Sempre procuro algum tema que eu gosto, busco argumentos, escrevo algo pra mim e decido publicar, percebo que estou sendo recebido com honra e carinho por todos vocês.
            A idéia inicial era fazer uma atualização por dia, mas como toda idéia inicial pode ser alterada, a minha também foi alterada, partir do dia de hoje eu não publicarei mais um texto por dia, como vinha fazendo, publicarei textos a esmo, mas prometo fazer pelo menos 3 textos por semana.
            Por fim, citando o cantor e compositor Marcelo Nova em uma versão da canção de Frank Sinatra (My way): “embora os choros, eu tenho alguns, mas mesmo assim, são muito poucos, sorri, chorei e me entreguei ao meu trabalho e agora que o fim esta próximo eu encaro esse momento...I did it my way”. Obrigado, Marcio Colli

quarta-feira, dezembro 01, 2010

Loucos e Santos.

Não tenho nada contra a homo afetividade, tenho contra as “bichas locas” que andam por ai se achando gênios, pegamos o exemplo de Oscar Wilde, ele era homossexual e era gênio, hoje em dia tem gente achando que virando homossexual vai se tornar gênio.
Oscar Wilde sobre os amigos ele escreveu o nome do titulo de hoje e realmente é um texto fantástico, nos leva a pensar e como eu gosto de fazer o meu leitor pensar, postarei ele aqui, e eis que esta a partir do próximo parágrafo.
Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.  Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. 
Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.  Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. 
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. 
Não quero amigos adultos nem chatos. 
Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.
Esses últimos 5 paragrafos é de autoria de Oscar Wilde, com algumas alterações que fiz para tentar torná-lo um texto sem perder a essência dele. Espero que tenha feito você pensar. Obrigado, Marcio Colli.

terça-feira, novembro 30, 2010

Depoimento de um drogado.

            Estava eu ouvindo musica e pensando nesse Blog, eis que a minha lista de musica esta no Shufle e veio uma musica horrível pra mim, por que ela esta ali? Não me pergunte como veio parar no meu computador, mas que esta aqui está. Lembrei-me então de um texto do Luiz Fernando Veríssimo e pensei em compartilhar convosco, o texto chama-se “Depoimentos de um drogado”, com certeza alguns de vocês já devem ter visto esse texto por ai, mas para aqueles que ainda não viram, siga na leitura, os que já viram, que tal ver outra vez? Veríssimo é sempre Veríssimo não é?  Eis o texto:
            Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de "experimenta, depois, quando você quiser, é só parar..." e eu fui nadele. Primeiro ele me ofereceu coisa leve, disse que era de "raiz", "da terra", que não fazia mal, e me deu um inofensivo disco do "Chitãozinho e Xororó" e em seguida um do "Leandro e Leonardo". Achei legal, coisa bem brasileira; mas a parada foi ficando mais pesada, o consumo cada vez mais freqüente, comecei a chamar todo mundo de "Amigo" e acabei comprando pela primeira vez. Lembro que cheguei na loja e pedi: - Me dá um CD do Zezé de Camargo e Luciano. Era o princípio de tudo!
Logo resolvi experimentar algo diferente e ele me ofereceu um CD de Axé. Ele dizia que era para relaxar; sabe, coisa leve..."Banda Eva", "Cheiro de Amor", "Netinho", etc. Com o tempo, meu amigo foi oferecendo coisas piores: "É o Tchan", "Companhia do Pagode", "Asa de Águia" e muito mais. Após o uso contínuo eu já não queria mais saber de coisas leves, eu queria algo mais pesado, mais desafiador, que me fizesse mexer a bunda como eu nunca havia mexido antes, então, meu "amigo" me deu o que eu queria, um Cd  do "Harmonia do Samba". Minha bunda passou a ser o centro da minha vida,  minha razão de existir. Eu pensava por ela, respirava por ela, vivia por ela! Mas, depois de muito tempo de consumo, a droga perde efeito, e você começa a querer cada vez mais, mais, mais . . .
Comecei a freqüentar o submundo e correr atrás das paradas. Foi a partir daí que começou a minha decadência. Fui ao show de encontro dos grupos "Karametade" e "Só pra Contrariar", e até comprei a Caras que tinha o "Rodriguinho" na capa. Quando dei por mim, já estava com o cabelo pintado de  loiro, minha mão tinha crescido muito em função do pandeiro, meus
polegares  já não se mexiam por eu passar o tempo todo fazendo sinais de positivo. Não deu outra: entrei para um grupo de Pagode. Enquanto vários outros viciados cantavam uma "música" que não dizia nada, eu e mais 12 infelizes dançávamos alguns passinhos ensaiados, sorriamos e fazíamos sinais combinados. Lembro-me de um dia quando entrei nas lojas Americanas e pedi a coletânea  "As Melhores do Molejão". Foi terrível! Eu já não pensava mais!
Meu senso crítico havia sido dissolvido pelas rimas "miseráveis" e letras pouco arrojadas. Meu cérebro estava travado, não pensava em mais nada. Mas a fase negra ainda estava por vir.  Cheguei ao fundo do poço, no limiar da condição humana, quando comecei a escutar "Popozudas", "Bondes", "Tigrões", "Motinhas" e "Tapinhas". Comecei a ter delírios, a dizer coisas sem sentido, quando saia a noite para as
festas  pedia tapas na cara e fazia gestos obscenos.
Fui cercado por outros drogados, usuários das drogas mais estranhas; uns nobres queriam me mostrar o "caminho das pedras", outros extremistas preferiam o "caminho dos templos". Minha fraqueza era tanta que estive próximo de sucumbir aos radicais e ser dominado pela droga mais poderosa do mercado: a droga limpa. Hoje estou internado em uma clínica. Meus verdadeiros amigos fizeram a única coisa que poderiam ter feito por mim. Meu tratamento está sendo muito duro: doses cavalares de Rock, MPB, Progressivo e Blues.
Mas o meu médico falou que é possível que tenham que recorrer ao Jazz e até mesmo a Mozart e Bach. Queria aproveitar a oportunidade e aconselhar as pessoas a não se entregarem  a esse tipo de droga. Os traficantes só pensam no dinheiro.  Eles não se preocupam com a sua saúde, por isso tapam sua visão para as  coisas boas e te oferecem drogas. Se você não reagir, vai acabar drogado: alienado, inculto, manobrável, consumível, descartável e distante;  Vai perder as referências e definhar mentalmente. Em vez de encher a cabeça com porcaria, pratique esportes e, na dúvida, se  não puder distinguir o que é droga ou não, faça o seguinte:
Não ligue a TV no Domingo a tarde; Não escute nada que venha de Goiânia ou do Interior de São Paulo; Não entre em carros com adesivos "Fui ... " Se te oferecerem um CD, procure saber se o suspeito foi ao programa da Hebe ou se apareceu no Sabadão do Gugu; Mulheres gritando histericamente é outro indício; Não compre nenhum CD que tenha mais de 6 pessoas na capa; Não vá a shows em que os suspeitos façam gestos ensaiados; Não compre nenhum CD que a capa tenha nuvens ao fundo; Não compre qualquer CD que tenha vendido mais de 1 milhão de cópias no  Brasil; e não escute nada que o autor não consiga uma concordância verbal mínima.
Mas, principalmente, duvide de tudo e de todos. A vida é bela! Eu sei que você consegue! Diga não às drogas! Espero que tenha gostado e pensado no assunto. Obrigado, Marcio Colli.

segunda-feira, novembro 29, 2010

Amor e ódio.


            Eu estava pensando hoje na relação de amor e ódio que todos temos, vemos hoje em dia essa relação na musica, literatura, artes em geral, programas de TV, entre tantos outros meios existentes.
            Muitas vezes a relação de amor e ódio esta implícito em nós, nós amamos na mesma proporção em que odiamos o mesmo objeto. Gosto muito da definição de Melaine Klein para amor e ódio, ela vem nos dizer que existe amor, ódio, culpa e reparação em relação a tudo o que nos cerca, começando desde a fase que somos recém nascidos e segue por toda uma vida essa relação.
            É interessante pensar nessa relação, pois, o primeiro objeto que amamos e odiamos seria na verdade a nossa mãe biológica, já na hora do parto, talvez ali também seja o nosso primeiro espelho, como diria Winnicott, “O que o bebê vê ao olhar para o rosto da mãe? Sugiro que, normalmente, o que o bebê vê é a si próprio. Em outras palavras, a mãe olha para o bebê e aquilo que ela parece relaciona-se com aquilo que ela vê. Tudo isso é facilmente aceito. Mas indago se isso que é naturalmente tão bem feito pelas mães ao cuidar de seus bebês deve ser aceito. Vou direto ao ponto com o caso do bebê sobre o qual é refletido o humor da mãe, ou pior, a rigidez de suas defesas. Em um tal caso o que é visto pelo bebê? Primeiramente sua capacidade criativa começa a atrofiar, e de um modo ou de outro procura por outras formas de retorno do ambiente ... Nesse momento o rosto da mãe não se apresenta como um espelho. A percepção toma o lugar da apercepção. A percepção ocupa o lugar daquilo que deve ser o princípio de uma importante troca com o mundo, um processo de mão-dupla em que o auto-enriquecimento alterna-se com a descoberta de um significado para o mundo ao ver as coisas “.
            Penso que ai deve surgir a nossa primeira relação de amor e ódio, voltando para a questão da Melaine Klein, apenas como forma explicativa, a mulher ama o namorado e ao mesmo tempo o odeia, a mulher que ama o namorado também a odeia. Por um momento o namorado faz algo em que ela não gosta, logo ela começa a odiar ele, sentindo culpa por odiar ele, ela então repara essa culpa e nesse ódio e surge ai o amor, o mesmo vale para namorado em relação a namorada, no entanto, apenas é valido para casais em que realmente se amam.
            Costumo dizer que casal que não briga não se ama, pois amor e ódio estão sempre em sintonia um com o outro, ao mesmo tempo em que amamos, odiamos e nos sentimos culpados por odiarmos, logo, reparamos o nosso ódio e voltamos a amar. Quem nunca brigou com algum dos pais e voltou a conversar depois de algum tempo, tempo esse que dependendo da briga pode variar entre segundos até anos.
            Ai eu lembro uma frase em que eu ouvi a muito tempo atrás, “Nós só nos tornamos filhos quando viramos pais”. Penso na empatia que deve haver ai, quando somos filho nós não entendemos os nossos pais na maioria das vezes e quando somos pais começamos a entender como éramos como filhos. Talvez não valha a pena ter tantas brigas entre as pessoas que amamos.
            Prefiro acreditar que só devemos brigar quando o assunto é algo de nosso interesse, mesmo assim, uma briga que possa nos trazer algum crescimento psíquico e não apenas extrapolando o ódio pelos poros como um adolescente exalando hormônios sexuais. Espero ter feito você pensa no tema, se fiz, fiz minha parte. Desculpem pelos erros de formatação do texto, raramente eu acerto eles, obrigado, Marcio Colli.

domingo, novembro 28, 2010

Mulher e eletricidade.

Muito se fala que eletricidade é assunto de homem e tal, que mulher não entende nada de eletricidade, pois bem, andei vendo algumas coisas e pesquisando e descobri dados interessantes sobre mulher e eletricidade. O mais interessante é que elas alem de entenderem muito bem de química também entendem de eletricidade muito bem.
Se não vejamos, pensei no orgasmo feminino que é uma coisa da qual as mulheres entendem muito pouco e os homens muito menos. Pelo fato de ser uma reação endócrina que se dá sem expelir nada, não apresenta nenhuma prova evidente de que aconteceu ou se foi simulado.
Orgasmo masculino é aquela coisa que todo mundo vê. Deixa o maior flagrante por onde passa. Diante do primeiro mistério as investigações continuam e muitas pesquisas são feitas e centenas de livros escritos para esclarecer este gostoso e excitante assunto. Acompanho de perto, aliás, juntinho, este latejante tema. Vi outro dia no programa do Jô Soares uma sexóloga sergipana dando uma entrevista sobre orgasmo feminino.
A mulher, que mais parecia a gerente comercial de uma fabrica de eletrodomésticos, falava do corpo como quem apresenta o desempenho de uma nova cafeteira. Apresentou uma pesquisa que foi feita nos Estados Unidos para medir a descarga elétrica emitida pela vagina na hora do orgasmo, nessa pesquisa foi diagnosticado na hora H, a mulher dispara uma descarga elétrica de 250.000 micros volts.
Pensando nisso comecei a imaginar, cinco vaginas juntas ligadas na hora do "aimeudeus" seria suficiente para acender uma lâmpada. Uma dúzia, então, é capaz de dar partida num fusca com a bateria arriada. Quando eu contei isso pra uma amiga, ela fez questão de testar e recentemente ela esta treinando pra carregar a bateria do celular, diz ela que “gozei e tcharam, carregou”.
É preciso ter cuidado porque isso não é mais vagina de mulher e sim torradeira elétrica! E se der um curto circuito na hora de "vira o zoin" além de vesgo a gente sai com mal de Parkinson e com a linguicinha torrada. É de se pensar que camisinha agora é pouco, tem de mandar encapar na fabrica de pneus ou enrolar com fita isolante. E na hora H, aconselho a não tire o tênis nem pisar no chão molhado, pode ser pior! É recomendável, meu amigo, na hora que você for molhar o seu biscoito lá na canequinha de sua namorada perguntar “é 110 ou 220 volts?” caso contrario, depois do que essa moça falou lá no Jô, pode dar "ovo frito no café da manhã."
Espero que tenha feito você pensar no tema e que tenha sido útil pra você essa leitura, caso contrario, pelo menos algumas risadas espero que tenha conseguido retirar de você. Obrigado, Marcio Colli.

sábado, novembro 27, 2010

Parafilias.

   Muito se fala em sexo hoje em dia, até mesmo em forma de endeusamento, sexo hoje envolve quase tudo no ser humano adulto. Sexo e sexualidade são duas coisas bem diferentes, quero deixar bem claro que sexualidade é tudo o que nos de prazer em fazer, por exemplo, “comer chocolate”. O sexo eu traduzo como um verbo que não tem como conjugar, todo verbo é uma ação, sexo é uma ação, mas conjugar o verbo sexo não tem como até mesmo porque é uma serie de ações.
   Saindo um pouco da questão entre sexualidade e sexo e as formas gramaticais do mesmo, vamos falar sobre parafilias. Parafilia é toda forma “diferente” de sentir prazer no ato sexual. Para se caracterizar uma parafilia tem de haver anseios, fantasias ou comportamentos sexuais recorrentes e intensos que envolvem objetos, atividades ou situações incomuns e causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
Parafilia não é um bicho de sete cabeças entender, existem muitas e diversas denominação sobre “essa forma diferente” de se ter prazer sexual, deixando bem claro que pode parecer diferente pra quem não pratica nenhum tipo de parafilia, mas pra quem pratica é bem comum e essas pessoas acham diferente e monótono o tal comportamento sexual normal.
  De acordo com o DSM-IV (Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais), fazem parte da classificação de parafilias os seguintes diagnósticos: Exibicionismo; Fetichismo; Frotteurismo; Pedofilia; Masoquismo; Sadismo; Fetichismo Transvertido; Voyeurismo; Escatologia telefônica; Necrofilia; Parcialismo; Zoofilia; Coprolalia; Clismafilia, Urofilia e Parafilia sem outra especificação.
   Pelo nome conseguimos perceber aproximadamente o que é cada tipo, falarei um pouco sobre cada uma nesse texto de hoje, outros dias eu falarei mais sobre cada uma. O exibicionista define a pessoa que sente prazer em se mostrar, geralmente essas pessoas tem pouca satisfação interna e precisa dessa satisfação externa, de certa forma somos todos um pouco exibicionistas, no entanto, mulheres têm mais tendência ao exibicionismo do que homens. O exibicionista não vive sem o voyeur, o voyeurismo pode definir como sendo a pessoa que sente prazer ao ver, ou seja, vendo o exibicionista o voyeur sente prazer, se o exibicionista não tiver o voyeur ele não consegue excitação e o voyeur sem o exibicionista também não consegue excitação. O voyeur geralmente também tem pouca satisfação interna e procura essa satisfação vendo uma pessoa se exibir para ele, mesmo que o exibicionista não perceba a presença do voyeur.
   O fetichismo pode ser definido como sendo o interesse sexual por partes do corpo do(a) parceiro(a), ou para algum objeto inanimado, nesse caso tem de se reparar no objeto que de prazer para sabermos em relação a que esta o “problema” da pessoa. No fetichismo transvertido o prazer esta em se vestir do sexo oposto para o sexo em que se veste, seria o caso do homem que se veste de mulher para a mulher e a mulher que se veste de homem para o homem, casos de fetichismo e/ou fetichismo transvertido é mais fácil ser encontrado em homens, para haver o fetiche em ambos, um da relação tem o parcialismo que seria quem da sustento ao fetiche em geral.
   O sadismo não vive sem o masoquismo e o masoquismo não vive sem o sadismo, seria a melhor definição para essas duas parafilias. O termo sadomasoquismo vem dessas duas parafilias, onde o sado é o que bate e o maso é o que apanha na relação, geralmente os sadistas são mulheres e os masoquistas são homens, nota-se facilmente que nesse tipo de parafilia a pessoa assume uma “personalidade” contraria ao que ela perante a sociedade.
   A coprolalia pode ser definida como o ato de proferir palavras obscenas e gestos obscenos na hora do sexo, muitas vezes essas pessoas chegam até a se excitar ao falarem palavrões e gesticularem obscenamente durante o seu dia, é raro de encontrar pessoas assim, mas encontramos. A urofilia é a forma de se obter prazer através da urina do parceiro/a e até mesmo de urinar em si durante o ato sexual, se assemelha a urofilia com a agaltomafilia, no entanto, essa compreende sendo o prazer com a urina, fezes e vomito.
   A Escatologia telefônica como o nome sugere, é a forma de se obter prazer por sexo fone ou tele sexo, nesse caso o prazer consiste em relações sexuais por telefone, é praticado tanto por mulheres como por homens. A clismafilia é a forma de se obter prazer sexual através de enemas, geralmente essas pessoas trabalham na área de saúde.
   A zoofilia, pedofilia, necrofilia e frotteurismo é considerado crime em nosso pais, no entanto existem pessoas que sentem prazer apenas praticando esses crimes. O frotteurismo é mais encontrado em homens, sendo a forma de ter prazer através da fricção com roupa em outras pessoas, ou a famosa encoxada, como dizem por ai. Necrofilia é a forma de se obter prazer sexual com pessoas mortas, geralmente necrófilos são os famosos “nerds” da medicina que não conseguem ter muito contato social e fazem sexo com os corpos dos laboratórios de anatomia das universidades. Zoofilia é a forma de se obter prazer sexual com animais e pedofilia todos já sabem que é com crianças.
   Particularmente eu concordo com a visão de ser crime as quatro formas de parafilias acima citadas. Por fim temos a parafilia sem outra especificação, nesse quadro entram todas aquelas menos conhecidas e mais raras de ser encontradas.
   Parafilia é serio, causa mesmo muito sofrimento para quem as pratica, no entanto tem pessoas que praticam e não tem sofrimento, pode dizer que seria uma parafilia controlada, quando não é crime e é controlado, sem causar prejuízo para quem as pratica, eu não vejo problemas algum. Vamos viver as diferenças mas respeitar as nossas leis não é mesmo? Espero ter explicado algo novo pra você e ter feito você pensar no tema, se fiz isso, meu papel foi concluído. Obrigado, Marcio Colli.

sexta-feira, novembro 26, 2010

Busque necessidade de conhecimento (buneco).

É engraçado o pensamento das pessoas, algumas concordam em fazer quase tudo e quando dão opiniões elas sempre são bem vindas, e quase sempre fazem aquilo que a opinião deles está fazendo, porem algumas são diferentes e tem um sentimento narcísico, que elas sempre querem que façam algo que eles mesmos têm vontade, essas pessoas, posso eu dizer que devem ser e são na maioria das vezes muito perigosas.
Elas não se cansam em dizer a mesma coisa, vivem dando círculos nos mesmos assuntos e quando você se cansa de ouvir o mesmo assunto elas ficam furiosas, geralmente só sabem falar sobre um assunto, não procuram diversificar os assuntos, não procuram se interessar por outros assuntos, vivem em um senso comum a vida inteira e não toleram a verdade, acreditam que o senso comum é burrice, no termo mais chulo, mas a pergunta lateja, por que são assim? Pode ser de criação? Condicionamento? Talvez o seja, porem é interessante analisarmos também a capacidade de aprender coisas novas, dizem que sempre estão dispostos a aprender coisas novas, mas quando você oferece algo novo, este vem sempre acompanhado de estranhamento e acabam nem aceitando e nem fazem esforços para tentarem saber o que é.
Por que as pessoas, não todas, são assim? O que teria que fazer para mudar este quadro? Fico triste ao pensar que esta mudança ira demorar para acontecer, pelo menos 20 anos e quando chegar, se é que um dia chega, confrontaremos com um senso comum bem científico, o que é mais correto afirmar é que seria o futuro infelizmente passado, e o passado é futuro, o presente não existe ou é nulo, ou seria o contrario? Acredito que não. O ser humano sempre lutou para adquirir conhecimentos em toda a vida, isso é condicionado desde cedo, porem a maioria algo em torno de 90% chegam a certa idade, por volta dos 25, 26, 27, 28, 29, 30 por diante que se travam a conhecer e passam a acreditar que sabe muito, o que é pior é que elas acreditam nisso, engraçado, ninguém sabe a verdade absoluta.
Dizem (como diria o senso comum), porem, o senso comum já descobriu, a verdade absoluta é a verdade que eles acreditam, simples não? Verdade absoluta é uma coisa que eu nunca vou saber o que é. Nestas horas eu me questiono, pra que tanto conhecimento? Quanto mais você sabe, você descobre que menos sabe, e vai virando uma bola neve colorida de assunto.
Bola de neve colorida de assunto, gosto deste termo, vou chama-lo de boneca, boneca é um termo interessante, pois o senso comum não o entende e assim sendo vão procurar saber o significado real e descobriram em breve que se trata de um termo que eu criei, abrirei ai então um pouco do que eu conheço de cientificidade para o senso comum e todos irão se deslumbrar com isso, chamar alguém de boneca será lindo, não será mais gay, mas boneca, eu gostaria de explicar o que seria.
Boneca seria bola de neve colorida de assunto, ou seja, quem sabe muito assunto poderia dizer que estas pessoas têm boneca no seu conteúdo, boneca é igual ao arco íris, ou seja, vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta, ou seja, 7 assuntos diferentes que a pessoa tem que dominar, parece fácil, porem a maioria das pessoas não passam do verde.
Já me falaram que eu tenho mais que esses setes, porem eu não acredito não, eu ainda estou aberto a novidades, mesmo eu já tendo atingido a idade de “travar” penso estar aberto a aprender mais e mais sempre. Fazendo com que a minha boneca fique cada vez mais colorida, eu gostaria de ouvir um dia que preciso saber mais sobre algo, mas será que a nossa cabeça agüenta tanto? Acredito que sim. Espero ter feito você pensar sobre o tema, se fiz isso, fiz meu trabalho. Obrigado, Marcio Colli

quinta-feira, novembro 25, 2010

Sexo ou Violência: o que você prefere?


            Sempre que surgem vídeos de menores fazendo sexo pela net gera uma grande discussão, nos canais de TV sempre vemos programas com conteúdo sexual, esses conteúdos sempre vêem seguidos de certa estranheza quando é um programa voltado para menores de 18 anos ou que os telespectadores não têm mais que 18 anos.  Assistir cenas de sexo sempre gera uma grande polêmica, alguns mais conservadores sempre criticam, outros associam a grupos de funk, axé ou algo do tipo. Quero deixar bem claro que não vou falar sobre violência sexual e nem tampouco é meu objetivo promover essa atitude, sou contra qualquer tipo de violência sexual ou abuso sexual, como preferirem.
       Voltando para o foco do tema, penso que cenas de sexo devem estar associadas ao amor, o sexo em si é lindo, horrível é o que fazem aparecer. Recentemente houve a polemica das pulseirinhas em escolas de ensino médio e fundamental. Criticaram as famosas pulseirinhas por promover o sexo entre adolescentes, alguns pais acharam absurdos e ainda acham absurda a orientação sexual para os seus filhos. Sexualidade hoje não é mais tão tabu quanto era antigamente, porem, sexo ainda é, quero deixar bem claro que sexualidade e sexo são duas coisas diferentes.
         Sexo eu traduzo como um verbo que não tem como conjugar, todo verbo é uma ação, sexo é uma ação, mas conjugar o verbo sexo não tem como até mesmo porque é uma serie de ações. Sexualidade está presente desde a infância e pode ser traduzida como algo que de prazer, por exemplo: chocolate, sorvete, escrever, pintar, música, poesia, entre tantas outras coisas que podem dar prazer ao ser humano em geral.
         Falar sobre orientação sexual para adolescentes é sem duvida alguma algo que deve ser feito, e deve ser feito rápido, o jovem busca o que esta na moda, se sexo estiver na moda ele vai buscar por sexo. No entanto o jovem esta sempre buscando a sua sexualidade e o que esta na moda indica a sexualidade do jovem de hoje.
         Não raro vemos filmes, novelas, seriados, livros, jogos e demais tipos de divulgação sobre violência, a impressão que me dá é que a violência esta sendo praticada mais livremente que o sexo. Talvez a falta de sexo explique a violência, como diz o ditado popular por ai que todos já sabem bem. O que eu estou querendo dizer é que me parece que a violência é mais aceita que o amor. Particularmente eu prefiro meu filho com 12 anos indo atrás de parceiros (as) sexuais do que querendo arrumar confusão por ai achando que isso é bonito.
Como diria o bom e velho John Lennon “Vivemos num mundo onde nos escondemos para fazer amor! Enquanto a violência é praticada em plena luz do dia”. Vendo essa frase me peguei pensando, ele morreu no dia 8/12/1980 e isso vale até hoje? Se ele era mais popular que Jesus Cristo eu não sei, mas que ele falou algo que serve até nos dias de hoje isso sim eu sei.
Vendo os noticiários sobre guerras, brigas e violência em geral, fico pensando no que leva essas pessoas a cometerem sempre violência e consigo imediatamente fazer ligação com a física quântica. Se não vejamos, a famosa lei da atração, que diz que você atrai o que transmite, se transmitiu violência, se vemos violência, vamos atrai violência, se vemos amor, transmitirmos amor, vamos atrair amor, a idéia é simples não? A física quântica que parece uma coisa extraordinária para muitos, esta na verdade inserida e sendo praticadas por pessoa que nem tem conhecimentos sobre tal.
Particularmente eu prefiro ver um filme de amor a um de violência, embora esteja na moda a violência, eles que guerreiam enquanto eu faço amor, eu prefiro ver meu (minha) filho (a) adolescente buscando fazer amor do que buscando violência ou modelos violentos pra ele. Não seria esse um caso pra se pensar? Se fiz você pensar, fiz meu trabalho. Obrigado, Marcio Colli.

quarta-feira, novembro 24, 2010

Bebendo vinho.

Meu ultimo post foi Vamos falar sobre vinho? Conforme eu prometi no final dele, eu retornei nessa bebida fantástica, o vinho é uma ótima companhia para os solitários e uma ótima terceira companhia para os casais, também podemos tomar vinho em uma turma de amigos.
Conforme eu já havia dito, existem basicamente 3 tipos de vinho por sua coloração, o tinto, branco e o rosado. Nessas 3 colorações temos as diferenças entre o suave, seco, semi-seco e suas variações. O vinho suave barato geralmente é produzido por uma uva chamada Isabel, esta uva produz muito vinho, no entanto, para o vinho ser vinho de fato ele precisa ter certa graduação alcoólica e esta uva não consegue atingir, eis que as vinícolas acrescentam o açúcar e conservantes para ele ficar suave e mais bebida alcoólica (geralmente pinga) para ter a graduação mínima necessária.
Sobre o vinho branco eu pouco tenho conhecimento, por isso prefiro não comentar a respeito, quem se interessar por vinho branco pode pesquisar a respeito, ele é um ótimo vinho para o verão. Sobre os vinhos rosados também não tenho muito conhecimento. Particularmente eu prefiro os tintos.
Sobre os vinhos tintos, como eu já disse anteriormente, existe as colorações: violeta, púrpura, rubi (meu favorito), vermelho alaranjado e telha. A coloração do vinho varia de acordo com a uva e com o corte que é feito, o corte no vinho é quando há mistura de uvas no vinho.
Segundo estudiosos há 24.000 nomes para as mais de 3.000 variedades de uvas viníferas. Destas 150 são plantadas comercialmente em quantidades mais significativas. Entre as uvas tintas mais famosas destacam-se a Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Gamay, Syrah, Tannat, Tempranillo, Touriga Nacional, Malbec e por fim eu colocaria a Colli com suas variações (sim, meu sobrenome).
Pra quem está acostumado a tomar vinho sabe bem o que prefere tomar, pra quem não esta acostumado, recomendo que comece por algum vinho mais popular, aqui no sul temos ótimas vinícolas com preços a partir de R$11.00 por um bom vinho, acredito que em regiões onde o vinho é menos popular não deve passar de R$20.00 um bom vinho fino tinto seco, esse é o tipo de vinho que eu considero de verdade. Para um presente pra alguém, um vinho é sempre uma boa pedida, qualquer vinho fino tinto seco entre R$20.00 e R$40.00 é um bom vinho para presente, vai de quem presenteia saber qual o tipo de pessoa o presenteado é.
Para se tomar um vinho tinto recomenda-se uma taça especial para tal, essa taça você encontra em loja de 1.99 por preços bem bacanas, pra começar não precisa comprar logo de cara uma taça de cristal, mas uma boa taça é sempre recomendável. Nunca segure a taça em seu corpo, segure sim em sua haste, os dedos e as mãos podem esquentar o vinho e alterar o seu sabor, de maneira bem sutil, mas altera. Eu já vi uma vez uma pessoa tentando ensinar a maneira de como não segurar na taça e advinha o que aconteceu? A taça quebrou.
Alguns vinhos vêm com a indicação da temperatura ideal para servir, caso não venha, a regra básica é sempre entre 10 e 18 graus, existem termômetros que ajudam achar essa temperatura, mas também não precisa comprar nenhum, basta colocar ele na geladeira. Essa história que o vinho deve ser servido na temperatura ambiente esta correta, porém, vale lembrar que o vinho é mais tomado na Europa e por lá o ambiente já é frio. O vinho deve ser conservado em contato com a rolha simplesmente para a rolha não apodrecer e encolher, com isso entra ar e acabar transformando o vinho em vinagre (um bom vinagre por sinal).
A análise visual é a primeira análise que se faz, primeiro se analisa a coloração do vinho, recomenda-se olhar contra a luz ou sobre algo branco de contra a luz. Após isso pode analisar a viscosidade do mesmo, essa analise é feita através da formação de “lágrimas”, que são substancias incolores que escorrem pelas paredes da taça após a sua agitação. Quanto mais lágrimas, mais viscoso e denso e mais alcoólico é o vinho.
Feita a análise visual, processo que leva não mais que 30 segundos, partimos então para a análise olfativa, esta visa a observação dos aromas que o vinho possui, sua intensidade, complexidade, virtudes ou defeitos. Ler a carta do vinho ou o que esta falando no rótulo ajuda bastante. Abaixo segue uma tabela com a roda dos aromas do vinho. Se você estiver tomando vinho em taça de cristal essa análise será melhor, pois o cristal consegue quebrar mais fácil as partículas que exalam o cheiro.

Essa análise também não leva mais que 30 segundos, em amadores costuma-se levar mais tempo, em apaixonados menos tempo e em enólogos muito mais tempo. Os apaixonados gostam do cheiro do vinho, os amadores tentam encontrar algo que ainda não encontraram e os enólogos tentam encontrar o que não tem mais para ser encontrado.
Por fim, fazemos a melhor análise de todas, ou seja, a gustativa. Nessa análise deixamos o vinho bater em toda nossa boca, há quatro gostos básicos que nossa língua identifica, são eles: doce, ácido, salgado e amargo. O ácido é percebido nas laterais, o salgado em seu terço anterior, o amargo em sua parte posterior e o doce é percebido na ponta. Fica a dica para um bom beijo, você percebe o doce da pessoa com a ponta da língua.
Depois de deixar o vinho bater em todas as partes da boca, podemos tomá-lo, caso você seja amador ou apaixonado apenas, não precisa cuspir o vinho, deixa isso para os profissionais e “enochatos”. Depois de beber, aguarde um tempo, algo em torno de 5 segundos no máximo e sinta “rebote” que é o gosto que vem na boca após beber qualquer bebida, analise esse gosto apenas por gosto.
Espero ter ajudado você nesse mundo fantástico do vinho, um brinde a saúde e se quiser saber mais, procure a respeito, esse é um assunto bem interessante. Vinho é saúde e charme, para conquista é imprescindível e perfeito, claro, se a pessoa a ser conquistada goste de vinho. Como eu sempre digo se fiz você pensar, fiz minha parte. Obrigado, Marcio Colli.
            

terça-feira, novembro 23, 2010

Vamos falar sobre vinho?


     Tenho muitas paixões nessa vida, posso até dizer que sou um homem movido pelas minhas paixões, tenho paixão por conhecimento dos mais diversos assuntos quando envolve o ser humano, tenho paixões também um pouco estranhas às vezes, mas uma das minhas paixões, com certeza é o vinho. Já fui apaixonado por varias bebidas, confesso, mas sempre fui apaixonado por alguma bebida de requinte, como homem requintado que acredito ser, gosto de requinte sim e não vejo isso como defeito, muito pelo contrario.
     Basicamente eu era apaixonado pela água da vida, ou seja, o whiskey, ou em português correto “uísque”, o nome dele em português poucas pessoas conhecem, é mais tradicional o nome americanizado, embora o uísque seja de origem escocesa. Certa vez eu estava fazendo uma pesquisa a esmo sobre bebidas e me deflagrei com o fantástico mundo do vinho. Ao analisar que no Brasil temos ótimas vinícolas fui mais afundo no assunto.
    Não há indícios da origem do vinho precisamente, mas alguns estudos afirmam que o vinho esta ligado a historia da sociedade, os primeiros achados remonta de 7000 anos antes de Cristo, no oriente médio. Os egípcios, os gregos e os romanos faziam muito uso do vinho e até mesmo no velho testamento surge a tal bebida. Pelo velho testamento, Noé foi o primeiro a plantar a vinha. No entanto, apenas no século XIX, com as descobertas de Louis Pasteur sobre a fermentação, pode se entender de forma cientifica o processo de elaboração do vinho, partir desse momento surge então a enologia cientifica.
     No campo cientifico do vinho foram feitas varias descobertas legais sobre essa bebida charmosa e romântica. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda se como dose saudável, dois cálices de vinho por dia, a quantidade de “ml” por cálice eu confesso que não sei e também não achei referencias sobre tal, prefiro tomar algo em torno de 300ml por dia, apesar de no momento eu não estar podendo beber, mas assim que eu puder voltar a beber eu vou tomar é pelo menos um litro (risos).
     Voltando para o parágrafo anterior e para o que vale nesse texto, entre os benefícios do vinho posso citar: aumento do HDL (o bom colesterol); redução do LDL (o colesterol ruim); diminuição do risco de infarto; regulador da pressão, pelo seu alto conteúdo de potássio e baixo de sódio; atua como auxiliar digestivo; é um complemento alimentar, pela presença de sais minerais; tem poder antioxidante, que atua no combate ao envelhecimento precoce; diminui as chances de pedras no rim; age como diurético; vaso dilatador periférico; antidepressivo; desinibidor; relaxante; grande evocador de otimismo e estudos recentes demonstra que o vinho elimina boa parte dos efeitos nocivos do fumo no organismo.
     Já estou com vontade de beber um pouco de vinho novamente, não, não sou viciado, estou a mais de 10 dias sem tomar uma gota só de qualquer bebida alcoólica, não sei como ando vivendo (risos), por falar em viver, algumas pessoas apontam que o vinho tem vida, pois ele nasce, evolui e morre. Olha você, até o vinho evolui, por que não evoluirmos também não é mesmo? Voltando para o foco da questão, existem 18 tipos básicos de vinho por sua coloração, nos vinhos brancos temos o amarelo claro, amarelo esverdeado, verde amarelado, amarelo palha, amarelo dourado, dourado e âmbar. Nos vinhos rosados temos o rosado, clarete, rosa, cereja, rosa alaranjado e salmão. Nos meus favoritos que são os vinhos tintos temo a coloração violeta, púrpura, rubi (meu favorito), vermelho alaranjado e telha. A coloração do vinho varia de acordo com a uva e com o corte que é feito, o corte no vinho é quando há mistura de uvas no vinho.
     Prometo voltar para esse assunto em outro dia, até pelo motivo deste texto já ter ficado um pouco grande, mas esse com certeza é um assunto que eu voltarei a falar em breve, compartilharei mais conhecimentos dessa bebida convosco essa semana ainda, aguarde e retorne essa semana mesmo. Espero ter feito você pensar no tema, se fiz você pensar, pesquisar e ir em busca de mais conhecimentos sobre esse fantástico mundo do vinho, fiz minha parte. Por hoje eu vou ficando por aqui, pode comentar dizendo o que gostaria de ver sobre vinho também, isso norteara o que eu falarei sobre essa bebida fantástica, por hoje é só meus amigos sedentos por conhecimentos. Obrigado, Marcio Colli