quarta-feira, maio 10, 2017

Novo negocio!!!
          Apos algum tempo procurando uma nova forma de renda eu encontrei a que eu acredito seja a melhor forma de renda extra atualmente no mercado de trabalho, quer conhecer??
ACESSE: goo.gl/cZ5ORk
OU: http://www.savp.com.br/marciocolli
           Como preferir!!!
           Trata se de revenda de mais de 500 produtos, vc controla tudo online, faz o pedido e é só revender!!! Não perca essa oportunidade!!! Não se esqueça da minha indicação!!! Duvidas, mande um zap (47) 99721 7602
            Estou te aguardando, mas por favor, não ligue, mande zap...
            Abs. Marcio Colli

sexta-feira, outubro 28, 2011

Pensamento Logístico.

Há muito tempo eu comento sobre pensamento logístico com alguns amigos, clientes e parentes, mas nunca escrevi nada sobre esse termo. Pesquisando o termo, a única referência encontrada foi sobre a logística e o pensamento das organizações a respeito de tal.
Começando pelo pensamento, eu defino pensamento como sendo aquilo que é trazido à existência através da atividade intelectual, ou seja, o pensamento é um produto da mente. Por ser um produto da mente também temos de deixar bem claro que o mesmo não é expresso tão somente com palavras, mas também com expressões não verbais, muitas vezes não conseguimos nos expressar, expor nossos pensamentos com palavras e assim escrevemos, desenhamos, criamos algo artístico ou até mesmo usamos de mecanismos de defesa para esconder esses pensamentos.
O ato de pensar e agir vem a ser o que nos move diariamente. Pensar e agir logisticamente é uma forma diferente de pensamento que podemos adaptar para o nosso cotidiano pessoal e profissional.
Pensando na logística, gosto de definir a logística como sendo a atividade relacionada à obtenção, estocagem de materiais e produtos, processos produtivos, movimentação, e também todo o processo de fluxo físico de bens, produtos, serviços e informações em geral.
Quando associamos o ato de pensar com a atividade logística, temos ai um ato ativo, parece obvio não? Porém mais que um ato ativo é também um ato que vamos executando ao longo do dia com planejamento e sabendo dos nossos horários a cumprir e seguir por assim dizer.
Citarei alguns exemplos de pensamento logístico: quando acordamos geralmente vamos ao banheiro, lavamos o rosto, urinamos, escovamos os dentes, lavamos nossas mãos e após isso vamos preparar o nosso café da manhã. Muita gente faz e prepara o seu próprio café, sendo assim, essas pessoas têm de colocar a água para ferver (ou até chiar em alguns casos) e preparar o recipiente que vai colocar o café, quem faz o café com a ajuda de cafeteiras, também preparam a mesma. Após o café ficar pronto, colocamos ele na xícara ou copo, alguns colocam leite, açúcar, adoçantes, enfim, não vem ao caso agora, após o nosso café estar pronto dentro do recipiente que vamos colocá-lo, sentamos e tomamos o café.
Agora eu pergunto quanto tempo você levou para fazer todas essas atividades? O tempo varia de pessoa a pessoa, mas uma dica para economia de tempo seria usar o pensamento logístico.
Como seria esse ato usando o pensamento logístico? Muito simples, antes de irmos ao banheiro, preparamos a água ou a cafeteira, após isto vamos ao banheiro, ao sairmos do banheiro a água já está pronta ou quase pronta, o mesmo vale para a cafeteira, no caso da água, só prepararmos o recipiente para o café e adicionarmos a água, após isso, sentamos, preparamos o recipiente para tomar o café e assim o tomamos, ou seja, o tempo de você ir ao banheiro foi o mesmo tempo que você gastou fazendo o café, trocando em miúdos seria o ato de sair do banheiro e o café estar pronto.
Ganhamos tempo, mas só no tempo de preparo do café. Ao sair para trabalhar pense logisticamente novamente, fazemos isso todos os dias, ao escolhermos o melhor caminho para irmos ao nosso trabalho ou nos nossos estudos pela manhã. Quem faz o próprio almoço também, enquanto fazemos o arroz, preparamos o feijão, fritamos a batata, fazemos a salada ou preparamos a carne e por ai vai, uma questão fica no ar, qual o motivo de usarmos esse pensamento em casa e não usar no trabalho e estudos? Se ganhamos tempo no trabalho, ficamos mais tempo livre, se ficamos mais tempo livre, trabalhamos menos, se trabalhamos menos, erramos menos, se errarmos menos somos promovidos!
Olha que bacana, claro que tentei colocar de uma forma mais bem humorada esta parte, mas é uma questão também a se pensar. O pensamento logístico tem de ser, e deve ser nosso aliado e não nosso inimigo. Mas, e você? O que você acha disso? Obrigado Marcio Colli.

domingo, junho 19, 2011

Luto


            Dia 19 de junho de 2011 faleceu uma tia minha, na qual eu tinha e ainda tenho muito zelo e carinho, infelizmente, ela se foi, porem deixou conosco um grande amor e carinho, alem de prova de dedicação e de trabalho, uma mulher sensacional dentro de suas possibilidades. Em um evento de luto, muitas coisas acontecem, começamos a nos questionar porque levou e qual o motivo dessa perda, dentre outros sentimentos.
            Em uma situação de luto ou de doença em geral, passamos por 5 estágios geralmente, pela ordem os estágios são: negação; fúria (ou ira); barganha; depressão e por fim a aceitação. Falarei um pouco sobre cada um desses estágios.
            O primeiro estágio é o da negação, pois é o momento em que não acreditamos e demoramos “para cair na real”, nesse estagio é normal as pessoas pensarem que estão mentindo para ela e mais do que isso, acreditam que tudo é uma grande mentira, e fecham os olhos para os fatos. Nesta hora as pessoas ditas mais fracas sofrem e as pessoas ditas mais fortes reprimem. Esta repressão pode desencadear problemas, até mesmo episódios cardíacos mais futuramente, ou seja, os fortes se tornam adoentados, enquanto que os fracos choram e não adoecem.
            Logo após a negação entramos no estagio da ira, neste estagio é comum ficarmos com ira e ódio de tudo e de todos, ficamos indignados com aqueles que não comparecem no velório ou no hospital. Muitas vezes não procuramos saber de fato se estas pessoas estão sofrendo por não poderem ir, pois cada um possui uma série de limitações. Em outros casos achamos que existem pessoas que não sofrem com o sofrimento dos outros, mas o maior sofrimento destas pessoas, acredite, é de não demonstrar sofrimento.
            O terceiro estagio é o estagio da barganha, nessa hora começamos a negociar com Deus (independente da religião), passamos a fazer promessas, oferecer a Deus varias coisas para aquele sofrimento passar. Passando a fase de barganha entramos na fase da depressão.
            Na hora da depressão percebemos que nada do que fizemos adiantou, a impressão que temos é que tudo foi em vão. Percebendo que nada adiantou entramos em depressão, nesta hora percebemos que o sofrimento parece aumentar, este é o momento de maior sofrimento psíquico. Depressão é um sentimento muito horrível para se sentir, só pensamos em chorar o tempo todo. Nesta fase nossa auto-estima sofre uma queda, perdemos o sono ou dormimos demais, deixamos compromissos, esquecemos de varias coisas importantes. Existem pessoas que “esquecem” até mesmo de realizar sua higiene diária, como tomar banho, por exemplo.
            Passando a depressão entramos na fase de aceitação, neste estágio passamos a aceitar o falecimento daquela pessoa querida, aceitamos nossas reais condições e começamos a batalhar por nossa qualidade de vida, neste momento a vida volta ao “normal”.
            Não existe um tempo programado para cada estágio de luto, e nem tampouco uma ordem específica, ou seja, há pessoas que vão do primeiro para o último e retornam para o terceiro, como existem pessoas que começam no terceiro estágio, passam para o segundo e retornam ao primeiro. O importante é saber que existem estes estágios, assim saberemos lidar melhor com a pessoa que sofre. A psicoterapia neste caso ajuda e muito esta pessoa, neste caso a psicologia entra para promover a qualidade de vida do indivíduo.
            Qualidade de vida neste caso é fazer a pessoa chegar no estagio de aceitação e lidar relativamente bem com o evento que a fez sofrer. Quem sofre não é a pessoa que falece e sim quem fica, no entanto, quando se fala em adoecer, o sofrimento maior é da pessoa adoecida. Temos de saber respeitar as diferenças de cada situação e vivermos com as pessoas diferentes, isso que faz o mundo se tornar um mundo tão maravilhoso.
Mas, e você?! O que você pensa sobre isso?! Já passou ou esta passando por esse sofrimento no momento?! Sabe como lidar com o seu sofrimento ou com o de outras pessoas?!